06/04/16

Muffins vegan de cenoura, laranja e nozes


Sou pela alimentação cuidada e saudável. Num tempo em que abrimos a internet ou qualquer revista e nos deparamos com inúmeros tipos de dieta e de artigos sobre alimentação, o que é que faz bem e o que é que faz mal, uns dizem umas coisas e outras fundamentam veemente outras! Ás tantas a pessoa pensa, mas o que é que se pode ou não comer afinal!

De tudo o que já li, concluo que o é mais correcto e o que devemos seguir é evitar comer comida processada, comer alimentos frescos e de origem conhecida, comer várias vezes por dia, comer com qualidade em vez de quantidade, evitar as gorduras saturadas e os açúcares simples. Tudo coisas simples, fáceis e conhecidas da maior parte das pessoas. 


Depois há a questão dos alimentos inflamatórios, que até há uns anos atrás não se ouvia falar e que agora estão imensamente difundidos, como o caso de tudo o que contem glúten e lactose. É sobre isto que vos quero falar hoje. Eu nunca gostei de leite, na sua forma natural, sempre foi um sacrifício beber leite desde pequena e assim que comecei a ter vontade própria, deixei mesmo de beber. Só consigo beber em galão e em iogurtes. Há uns meses deixei de beber iogurtes, notei muitas diferenças, essencialmente ao nível do funcionamento intestinal. Continuo a ingerir leite em forma de queijo, porque adoro, não como todos os dias, mas de vez em quando como, não sei se me habituaria a não comer queijinho ao fim-de-semana, mas tenho vindo a diminuir esse hábito. 

Quanto ao glutén, a coisa é mais complicada, é caso para dizer, está por todo o lado. Após aconselhamento médico e da minha treinadora do ginásio, devido aos problemas nas articulações, decidi experimentar não ingerir glutén durante algum tempo. Comecei agora a reduzir os alimentos em que ele está presente, posso dizer que não tem corrido mal, tenho pesquisado e experimentado algumas coisas muito interessantes que resultaram em receitas bastante saborosas e nutricionalmente equilibradas. Mas se consigo viver mesmo sem glutén? Não sei, vou tentar, eu gosto muito de fazer bolos e de comer uma bela fatia, gosto muito de uma boa massa, gosto muito de um belo pãozinho, enfim, vamos ver! Admiro as pessoas que conseguem mesmo mudar o seu estilo de vida por completo e fazem disso o seu dia-a-dia. Chegar a esse patamar não vou chegar seguramente, porque há coisas de que gosto que não quero abdicar, mas consigo deixá-las só para os dias de festa e refeições especiais! 


Voltando ao glúten, existem muito boas alternativas à farinha de trigo para usar nos bolinhos que tanto se gosta de fazer aqui por casa. Este fim-de-semana propus alguns programas ao meu pequeno para fazermos os dois, ele escolheu fazer um bolo! Que máximo! Adoro que ele goste de fazer bolos comigo, ele diz que vai ser "chef". Será?

Ora, com um pedido destes e com a ideia de não utilizar ingredientes com glúten, pus-me a pesquisar e descobri estes muffins vegan. Digo-vos, são surpreendentes, cheios de alternativas ao habitual e ao mesmo tempo cheios de sabor! Estes muffins são super fofinhos e ao mesmo tempo crocantes devido ao topping de nozes. A combinação canela com cenoura e laranja dá-lhe um aroma delicioso. 


Muffins vegan de cenoura, laranja e nozes
(Adaptado do blog Cocoon Cooks)

Ingredientes:

Topping de nozes
1/3 chávena de farinha de trigo serraceno
4 colheres de sopa de açúcar mascavado
1/4 colher de chá sal marinho fino
2 colheres de sopa óleo de côco, refrigerado
1/4 chávena nozes picadas


Massa
2 chávenas farinha de trigo serraceno
1/2 chávena açúcar mascavado
2 colheres de chá fermento em pó
1/2 colher de chá bicarbonato de sódio
1 colher de chá canela
1/2 colher de chá noz-moscada
1/4 colher de chá baunilha em pó
1/2 chávena de nozes picadas (+/- 55 gr)
3 ovos de linhaça espessos (3 c. sopa sementes de linhaça trituradas + 6 c. sopa água)
1/3 chávena de azeite )
250 ml. sumo de laranja natural
raspa de 1 laranja
90 gr. cenoura ralada


Preparação:

Topping de nozes

Numa tigela, combinar a farinha, o açúcar e o sal. Juntar o óleo de côco (uma colher de cada vez) e misturar com as mãos até se dissolver por completo e obter uma textura de areia húmida. Juntar as nozes e misturar. Reservar.

Massa

Cortar quadrados de papel vegetal. Preparar uma forma de muffins forrando com os quadrados de papel vegetal.Pré-aquecer o forno a 180 ºC. 

Preparar os ovos de linhaça combinando a linhaça moída e a água numa pequena tigela e deixar repousar durante um mínimo de 5 minutos, enquanto se prepara os restantes ingredientes.

Numa tigela grande, misturar com uma vara de arames todos os ingredientes secos (excepto as nozes). Noutra tigela, misturar o azeite, o sumo e raspa de laranja e a mistura de linhaça. Verter esta mistura sobre os ingredientes secos e envolver com uma colher de pau até obter uma mistura homogénea. 

Ao preparado, acrescentar as nozes e a cenoura ralada pouco a pouco até ficar homogéneo e completamente envolvido. 

Com a medida 1/4 chávena (ou uma concha de sopa), colocar a massa nas formas e cobrir cada uma com uma porção do topping de nozes. Colocar no forno e deixar cozinhar durante 25 minutos, até os muffins estarem dourados e o palito de teste saia seco e limpo.
Retirar do forno, deixar arrefecer um pouco. Retirar da forma e transferir os muffins para uma grelha, deixar arrefecer completamente.


Experimentem, não se vão arrepender!

Seguir também em: Facebook | Pinterest Instagram Bloglovin



3 comentários:

  1. Não há duvida de que devemos ter cuidado com o que comemos. estou a mudar, mas ainda não cheguei a esta faze pois há aqui ingredientes que nunca comprei como por ex. oleo de cocô...
    Todas as fotos estão bonitas, mas a ultima dá mesmo vontade de tirar um pedacinho e comer

    ResponderEliminar
  2. Adorei esses muffins, o topping fica excelente.
    Já comia uns dois...

    ResponderEliminar
  3. Que óptimo aspecto!
    Já tentei cortar o gluten exactamente pela mesma razão que tu, mas depois de uns meses sem tocar em nada e senti melhorias, mas fiz exames ao nível de intolerância e estava a zero. Quando reintroduzi não notei diferença; se calhar era só uma questão de excesso mesmo.
    Mas com tantas pessoas intolerantes (creio que é uma questão de saberem o que é que lhes faz mal, e não uma questão de serem mais pessoas do que antigamente), é óptimo ter uma opção e estes muffins parecem deliciosos.
    xo
    Sofia
    www.chadascinco.pt

    ResponderEliminar